terça-feira, 30 de outubro de 2012

Gás Lacrimogêneo

Gás Lacrimogêneo sendo lançado

Muitos protestos violentos são dispersos pelos policiais com a ajuda do Gás Lacrimogênio. Este gás orgânico começou a ser utilizado na Primeira Guerra Mundial, ele pertence à classe dos Haletos que são compostos que apresentam pelo menos um átomo do grupo dos Halogênios (F, Cl, Br, I), ligado a um grupo derivado de hidrocarboneto. 

Nas manifestações de rua os policiais não podem acalmar a euforia da multidão com armas de fogo, sendo assim, o uso do gás é uma opção válida já que este apresenta baixa toxicidade, e faz com que as vítimas soltem lágrimas incessantes e se afastem. A palavra "Lacrimogêneo" vem do Latim "lacrima" que significa lágrima. 

É também reconhecido pela sigla CS, cuja composição é gás (o-Clorobenzilideno malononitrilo). É um agente incapacitante, ou seja, os efeitos resultantes do contato com tais substâncias atrapalham qualquer indivíduo de realizar tarefas, já que vai estar muito ocupado tentando respirar ou esfregando os olhos (inutilmente). Além de lágrimas, o gás ainda pode causar: tosse, irritação da pele e vômitos. A queda do líquido irritante na pele causa sensação de queimadura. Os efeitos levam entre 20 a 45 minutos para passar. 

Esses gases podem ser dispersos por meio de sprays (aerosol) ou na forma de granadas de mão como projéteis a serem lançados.

Airbag e reação de decomposição


A reação presente no airbag produz gás nitrogênio e silicato alcalino.

O airbag é um dispositivo destinado a proteger motoristas e passageiros em caso de colisão. Para haver um perfeito funcionamento, o sistema envolve os seguintes mecanismos:

- sensores localizados na parte frontal do veículo;

- um dispositivo onde há substâncias químicas que reagem entre si quando recebem um impulso elétrico;

- uma bolsa plástica que fica acondicionada dentro do ponto central do volante de direção. No caso do passageiro, a bolsa está localizada no painel logo acima do porta-luvas.

Mas como a bolsa plástica se enche subitamente no caso de uma colisão? E de onde vêm os 70 litros de ar que faz inflar o saco antes da colisão? Na verdade, se trata de um gás que provém de uma reação química de decomposição. Veja como funciona:

O airbag é formado por um dispositivo que contém a mistura química de NaN3 (azida de sódio), KNO3 e SiO2 que é responsável pela liberação do gás. Esse dispositivo está acoplado a um balão que fica no painel do automóvel e quando ocorre uma colisão (ou desaceleração), os sensores localizados no pára-choque do automóvel transmitem um impulso elétrico (faísca) que causa a detonação da reação. Alguns centésimos de segundo depois, o airbag está completamente inflado, salvando vidas, veja as equações do processo:

1. NaN3 → 2 Na + 3N2
2. 10 Na + 2 KNO3 → K2O + 5 Na2O + N2
3. K2O + Na2O + SiO2 → silicato alcalino

A reação produz gás nitrogênio e silicato alcalino.

Os airbags complementam a função dos cintos de segurança, agindo conjunta e simultaneamente com o objetivo de reter o movimento dos ocupantes para frente em fortes colisões, eles fornecem uma proteção adicional reduzindo os riscos de ferimentos na cabeça e no tórax.

terça-feira, 23 de outubro de 2012

História da Química Orgânica

As substâncias encontradas na natureza eram divididas na antiguidade, em três grandes reinos:

  • O vegetal,
  • O animal,
  • O mineral.

Tanto o reino vegetal como o reino animal são constituídos por seres vivos ou orgânicos.

Apesar de serem conhecidas várias substâncias extraídas de produtos naturais, a Química como ciência, teve início no fim da Idade Média com o nome de "alquimia". 
Os alquimistas, como eram chamados os primeiros pesquisadores tinham por objetivos: 
- transformar qualquer metal em ouro - princípio chamado de "pedra filosofal" e 
- o "elixir da vida", para prolongar a vida.

O médico Paracelso (Suiço) que também atuava no campo da alquimia, afirmou, que "o homem é um composto químico, cujas doenças são decorrrentes das alterações desta estrutura, sendo necessários medicamentos para combater as enfermidades." 
Foi o início do uso de medicamentos para curar as enfermidades da época (séculos XVI e XVII).

Somente no século XVIII foram extraídas várias substâncias a partir de produtos naturais, além daquelas anteriormente conhecidas (vinho, fermentação da uva e os produtos obtidos pela destilação de várias outras substâncias).

Neste mesmo século - no ano de 1777-, a química foi dividida em duas partes de acordo com Torben Olof Bergmann:
- a Química Orgânica que estudava os compostos obtidos diretamente dos seres vivos e 
- a Química Inorgânica que estudava os compostos de origem mineral.


Entretanto, o desenvolvimento da Química Orgânica era prejudicado pela crença de que, somente a partir dos organismo vivos - animais e vegetais - era possível extrair substâncias orgânicas. Tratava-se de uma teoria, conhecida pelo nome de "Teoria da Força Vital", formulada por Jöns Jacob Berzelius, que afirmava: a força vital é inerente da célula viva e o homem não poderá criá-la em laboratório."

Em 1828, após várias tentativas, um dos discipulos de Berzelius, mais precisamente Friedrich Wöhler, conseguiu por acaso obter uma substância encontrada na urina e no sangue, conhecida pelo nome de uréia.

Estando no laboratório, Wöhler aqueceu o composto mineral "cianato de amônio" e obteve a "uréia", composto orgânico, derrubando assim, a Teoria da Força Vital.

Ilustração


Após o êxito desta experiência vários cientistas voltaram ao laboratório para obter outras substâncias orgânicas e verificaram que o elemento fundamental era o carbono.

Em 1858 Friedrich A. Kekulé definiu a Química Orgânica como sendo a parte da química dos compostos do carbono.

Atualmente são conhecidos milhões de compostos orgânicos e diarimente, devido às pesquisas para a obtenção de novas substâncias, o número de compostos orgânicos aumenta consideravelmente.


Química Inorgânica - Ligações Químicas


Vídeo de Química Inorgânica - Ligações Químicas, do site www.CentroApoio.com

Química verde: desafio para os mais talentosos?

Os caminhos que levam a uma nova economia, sustentável, passam pela química verde. Hoje, são milhares de iniciativas acontecendo em centros de pesquisa em todo o mundo, na busca para substituir processos tradicionais, prejudiciais ao meio ambiente, por soluções "verdes". Encontrar resultados depende de vários fatores, entre eles a criatividade individual, que pode ser exercitada nos laboratórios da universidade. 

"Alguns dos experimentos de laboratório utilizados para ensino foram criados há 50 anos. São raras as ideias que permitam substituí-los por procedimentos mais adequados ao novo tempo e tragam uma contribuição para a química verde", nota Claudia Rezende, vice-presidente da SBQ e coordenadora do concurso "O Legado da Rio+20: Que Futuro Queremos?". 

A constatação motivou a SBQ a promover o concurso que vai valorizar, em uma de suas categorias, a criatividade dos estudantes de graduação e pós-graduação. A proposta é criar experimentos sustentáveis, em projetos com tamanho de até 8.000 caracteres, e registro em vídeo digital, com duração de até três minutos. Os projetos podem ser inscritos individualmente ou em grupos de até cinco pessoas. Os dez primeiros colocados, indivíduos ou grupos, terão seus trabalhos divulgados pela Revista Virtual de Química, da SBQ, publicação de alcance internacional. O primeiro colocado receberá um tablet como prêmio. "Hoje, ser criativo em química, é contribuir para esse grande edifício que está sendo construído por pesquisadores de todo o Planeta", observa Rezende. As inscrições para o concurso "O Legado da Rio+20: Que Futuro Queremos?" foram até 20 de outubro.

Conheça as 20 metas brasileiras em relação a Biodiversidade para 2020


Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos (estaduais e federal), povos indígenas e comunidades locais; e uma consulta pública on line.


Se você quiser saber um pouco mais aí vai o link do arquivo para baixar e verificar pra ver se concorda e se acha que chegaremos lá: http://www.sbq.org.br/PDF/20metasbiod2020.pdf

Sociedade Brasileira de Química

Conheça e aprenda um pouco sobre a Sociedade Brasileira de Química

A SBQ, fundada em Julho de 1977, é a principal sociedade de química do país e tem como objetivos o desenvolvimento e consolidação da comunidade química brasileira, a divulgação da Química e de suas importantes relações, aplicações e conseqüências para o desenvolvimento do país e para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos.

Entre no site http://www.sbq.org.br/, cadastre-se e conheça um pouco desse importante trabalho.